sexta-feira, 25 de setembro de 2009

A existência dos anjos

Está na sagrada escritura: “Eis que envio um anjo diante de ti, para que te guarde pelo caminho e te conduza ao lugar que tenho preparado para ti. Respeita a sua presença e observa sua voz, e não lhe sejas rebelde, porque não perdoará a vossa transgressão, pois nele está o Meu Nome. Mas se escutares fielmente a sua voz e fizeres o que te disser, então serei inimigo dos teus inimigos, e adversário dos teus adversários”. (Ex 23,20-22)
A passagem bíblica que coloco nos diz que temos um anjo que nos guarda e nos acompanha desde o momento da nossa criação, concepção, e assim até a morte e até no purgatório. Ele é quem nos indica por onde devemos e não andar, mais também temos a nossa liberdade de seguir a voz dele ou não, mais cada vez que desobedecemos ele fica triste, mais se seguirmos a sua voz tenha a certeza do céu para você.
A palavra anjo possui origem do latim: “Ângelus”, que quer dizer:mensageiro.
No 1º testamento têm varias passagens sobre os anjos, e ainda existem várias pessoas que negam a existência dos anjos e se negam a sua existência negam também a sagrada escritura, vejamos alguns textos retirados do 1º testamento que falam sobre os anjos e sua ação:
Ø Disse ainda mais: “Estás grávida, e vais dar à luz a um filho: dar-lhes-ás o nome de Ismael (quer dizer: Deus ouve), porque o senhor te ouviu na tua aflição. Este menino será como um jumento bravo: sua mão se levantara contra todos e a mão de todos contra ele, e levantará sua tenda defronte de todos os seus irmãos”. (Gn 16,11ss).
Ø Deus ouviu a voz do menino, e o anjo de Deus chamou Agar do céu, dizendo-lhe: “Que tens Agar? Nada temas, porque Deus ouviu a voz do menino do lugar onde está. Levante-te, toma o menino e tem-no pela mão, porque farei dele uma grande nação”. (Gn 21,17-19).
Ø Ler também: Gn18, 2-9ss; 22,11ss; 31,11-13; Ex 3,2-6; Dn 7,10.
O catecismo da igreja católica afirma com total convicção a plena existência dos anjos: “A existência dos seres espirituais, não corporais, que a sagrada escritura chama habitualmente de anjos, é uma verdade de fé”. Trata-se então, de uma realidade e verdade que não pode ser negada.
A queda dos anjos
A bíblia não dá referencia clara a esse respeito, mais vamos em frente.
A narração do pecado de Adão e Eva, no livro do Gênesis, já aponta o anjo decaído tentando o homem em forma de serpente. Nenhum livro da Bíblia se refere ao pecado dos anjos só ilustra a queda deles.
Vamos ver neste texto de Jeremias 2,20. “Há muito rompeste ao jugo e quebraste os laços; dissestes, então: não quero mais ser dominado”. Vemos neste versículo o pecado da soberba (orgulho), mais o profeta não quis referir a este pecado da soberba dos anjos. Se ler-mos o capítulo todo vemos que ele dá referência a soberba dos israelitas.
Então!Caístes dos céus, astro brilhante, filho da aurora! Então! Forte abatido por terra, tu que prostavas as nações (Isaías 14,12), ler também Isaías 14,13-15.
Vemos que a palavra de Deus fala de um astro brilhante que caiu do céu, ou seja, o próprio lúcifer, pois ele foi criado o mais resplandecente de todos os anjos do céu.
Postar um comentário