terça-feira, 19 de maio de 2009

Abraçar a cruz

Quero falar um pouco para você sobre cruz, começando com uma pequena história:

Saindo da escola resolvi passar por uma banca e pergunto:

-Vocês têm o dvd de São Padre Pio pra vender?

A mulher da banca responde:

-Não, ele é um filme muito antigo e também ele já “piou” muito (com ar de riso).

-Não é muito antigo, ele é um santo recém canonizado pela igreja católica.

-Não sei quem é mais eu tenho o CD de “Adriana Calcanhoto da canção nova”.

Respondi muito sério

-Não quero, pois já tenho!

Pois aquilo parecia o próprio encardido se utilizar daquela mulher para me provocar, ao seu lado estava seu filho que ao ver a cruz da unidade no meu pescoço fala:

-Ò mãe que bonita!

-Bonito o que menino! “Repreende em nome de Jesus”.

E rindo olha para mim como quisesse provocar,

-Silenciei como fez a Virgem Maria e sai!

Poderia muito bem ter respondido a esse está “repreendido”, mais em meu coração veio o silenciar, não por medo.

“Mais nós pregamos o Cristo crucificado, escândalo para os Judeus e loucura para os pagãos” (Icor 1,23).

Para as seitas e denominações o crucifixo que usamos nas igrejas, casas e no nosso pescoço e um escândalo, pois estamos levando um Jesus “morto”, Sim! Nós levamos um Jesus morto para que eles vejam que aquele sofrimento foi por eles e também por nós. As pessoas quando vêm para receber oração dizem assim: “Há! Minha vida só tem sofrimento”, e costumo a dizer para muitos: “Cristão sem cruz têm muitos, e Cristão com cruz têm poucos, mais cristão sem cruz e Cristão sem salvação”, meu irmão não queira “repreender”, ou seja, censurar a sua cruz, leve a sua cruz espiritual, e para demonstrar que você e Católico Apostólico Romano, leva a tua cruz no coração para que todos digam: “Olha aí mais um louco levando um Jesus morto no pescoço”,

“Porque há muitos por aí, que repetidas vezes vos tenho falado e agora o digo chorando, que se portam como inimigos da cruz de Cristo.” (Felipenses 3,18).

O que mais se vê nas pessoas que são das denominações e seitas é que não se têm sofrimento, você já viu alguma pessoa que freqüenta esses lugares reclamar de alguma coisa? Se você já viu é milagre! , Todas que eu conheço nada de reclamação, só curtindo a vida, que Jesus eles pregam? O dá prosperidade, e onde fica a cruz deles? Não se sabe.

“Cujo destino é a perdição, cujo deus é o ventre, para quem a própria ignomínia (infâmia) é causa de envaidecimento, e só tem prazer no que é terreno”. (Felipenses 3,19).

Conheço várias pessoas que quando saíram desses lugares se tornaram verdadeiras “farreiras”, ou seja, a sua vida de é de festa, será que essas pessoas tiveram um encontro com Jesus, e será que verdadeiramente abraçaram sua cruz? Claro que não, pois quem encontra verdadeiramente Jesus não quer mais viver neste mundo de pecado, perdição, um mundo cuja sua porta é larga e muitos estão entrando sem perceber, um mundo que não quer mais abraçar a cruz, e acreditar no “Ressuscitado que passou pela cruz”, e nós católicos precisamos viver essa experiência de passar pela nossa via-crúcis, para que possamos ter um corpo glorioso no céu, é direito meu e seu, mais só o conseguirá aqueles que de livre aceitação abraçarem a dor por amor a Jesus.

Faça hoje um momento de oração e entregue a sua vida aos pés do crucificado que lhe remiu e também lhe chamou a fazer essa experiência, de experimentar o martírio por amor a Deus para que possamos ser nós cristãos os merecedores desse reino que nos foi preparado antes de gerados, peça ao senhor força para suportar as dores que nos fazem cair, força para que não revidemos as cuspidas que irão dar em nossa face, as chicotadas, e força para agüentar as injurias contra ti.

Digo por mim mesmo que levar nossa dor não é fácil, a dor de ver meus pais separados, e não ter ele (meu pai) a mesa para sentar junto para as refeições, as chicotadas com a língua de muita gente, as cuspidas na face, e também a dor das minhas quedas, dói em mim às mínimas coisas mais é preciso suportar, há tantos momentos muitos disseram: aceite Jesus que ele pode mudar a sua vida para melhor, seus pais podem voltar e não precisa você está “adorando” santo para alcançar milagres etc..., Não quero! Sou feliz com minhas dores, com tudo isso me recordo de uma mensagem que Nossa Senhora de Lurdes disse a Bernadete: “Não te prometo fazer feliz neste mundo mais sim no outro”, é isso que conforta ao meu coração, nem o próprio Jesus Filho do Altíssimo foi feliz neste mundo, ele veio e foi chicoteado, cuspido, coroado de espinhos e crucificado, meu irmão falo tanto em abraçar a cruz, essa cruz que me refiro é a nossa cruz do dia-a-dia, são os problemas nas nossas casas, no trabalho, na família em fim uma dor que edifique e transforme, assim como Ele que morreu por nós ensinado o verdadeiro amor, sofra mais resplandeça a luz de Cristo em você, pois somos imagens e semelhança do amor Eterno. Irmãos quero exortar para que abracem sua cruz nesses últimos anos ou dias para a vinda de cristo, sei que é difícil, mais difícil foi para Jesus, que levou todos os nossos pecados e enfermidades, que esse abraço possa nos fazer ressuscitar para o céu, que é o lugar dos eleitos de Cristo.

Aos que abraçam e vivem a cruz no dia-a-dia a palavra de Deus nos diz: “Que transformará (pela ressurreição) nosso mísero corpo, tornado-o semelhante ao seu corpo glorioso, em virtude do poder que tem de sujeitar a si toda criatura” (Felipenses 3,21).

De fato

Não é preciso grandes profecias

Para ser um bom profeta...

...só é preciso a humildade.


Diego Tales, RN.

Postar um comentário