sábado, 18 de junho de 2011

Correção Fraterna

Mateus (18, 15-20)
Naquele tempo, Jesus disse a seus discípulos: «Se teu irmão chega a pecar, vai e repreende-o, a sós tu com ele. Se te escuta, terás ganhado teu irmão. Se não te escuta, toma ainda contigo uma ou duas pessoas, para que todo assunto fique testemunhado pela palavra de dois ou três. Se não os ouve, diga à comunidade. E se até à comunidade ele não ouve, seja para ti como um gentio e o publicano. Eu vos asseguro: tudo o que ligardes na terra ficará ligado no céu, e tudo que desligardes na terra será desligado no céu».

A convivência humana está entretida de contrastes, conflitos, devidos ao fato de que somos diferentes por temperamento, pontos de vista, gostos. O Evangelho tem algo a dizer-nos também neste aspecto tão comum e cotidiano da vida. Jesus apresenta o caso de alguém que cometeu algo que é realmente equivocado em si mesmo: «Se teu irmão chega a pecar...». Não se refere só a uma culpa cometida contra nós. Neste último caso é quase impossível distinguir se o que nos move é o zelo pela verdade ou mais o amor próprio ferido. Em todo caso, seria mais uma autodefesa que uma correção fraterna.

Por que diz Jesus: «repreende-o a sós»? Antes de tudo por respeito ao bom nome do irmão, de sua dignidade. Diz: «tu com ele», para dar a possibilidade à pessoa de poder-se defender e explicar suas ações em plena liberdade. Muitas vezes o que a um observador externo parece uma culpa, nas intenções de quem o comete não é. Uma franca explicação dissipa muitos mal-entendidos. Mas isto não é possível quando o problema se leva ao conhecimento de todos.

Qual é, segundo o Evangelho, o motivo último pelo qual é necessário praticar a correção fraterna? Não é certamente o orgulho de mostrar aos demais seus erros para ressaltar nossa superioridade. Nem o de descarregar-se a consciência para poder dizer: «Eu te disse. Eu te adverti! Pior para ti, se não me fizeste caso».

Não, o objetivo é ganhar o irmão. Ou seja, o genuíno bem do outro. Para que possa melhorar e não se encontrar com desagradáveis conseqüências. Se se trata de uma culpa moral, para que não comprometa seu caminho espiritual e sua salvação eterna. Nem sempre depende de nós o bom resultado da correção (apesar das melhores disposições, o outro pode não aceitá-la, fazer-se mais rígido); pelo contrário, depende sempre e exclusivamente de nós o bom resultado... na hora de receber uma correção.

Nem só existe a correção ativa, mas também a passiva; não só existe o dever de corrigir, mas também o dever de deixar-se corrigir. E aqui é onde se vê se é suficientemente maduro para corrigir os demais.

Quem quer corrigir alguém tem de estar disposto a ser corrigido. Quando vês que uma pessoa recebe uma observação e escutas que responde com simplicidade: «Tem razão, obrigado por ter-me dito!», encontras-te ante uma pessoa de valor.

O ensinamento de Cristo sobre a correção fraterna deverá ler-se sempre junto ao que diz em outra ocasião: «Como é que olhas o cisco que há no olho do teu irmão e não repara a trave que há no teu próprio olho? Como pode dizer a teu irmão: “Irmão, deixa que tire o cisco que há em teu olho”, não vendo tu mesmo a trave que há no teu?» (Lucas 6, 41-42).

Em alguns casos não é fácil compreender se é melhor corrigir ou deixar passar, falar ou calar. Por este motivo é importante ter em conta a regra de ouro, válida para todos os casos, que o apóstolo Paulo oferece na segunda leitura (Romanos 13, 8-10) deste domingo: «Com ninguém tenhais outra dívida que a do mútuo amor... A caridade não faz mal ao próximo». É necessário assegurar-se, antes de tudo, de que no coração se dê a disposição de acolhida à pessoa. Depois, tudo o que se decida, seja corrigir ou calar, estará bem, pois o amor «não faz mal a ninguém».

 

Raniero Cantalamessa OFM

 

Adquira a Pregação Correção Fraterna com Silvinho Zabisky Clique Aqui

Postar um comentário