quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Edificar com autoridade espiritual


II Co 10, 4-5.8 – A Igreja se edifica pela autoridade de Deus. Essa é uma afirmação fundamental que deve ser entendida no sentido mais pleno.

Primeiramente devemos pensar na autoridade constituída no Corpo de Cristo. Essa autoridade vem de Deus a Cristo, de Cristo aos apóstolos e dos apóstolos cujo ministério é exercido na hierarquia eclesiástica em sentido pleno nos Bispos e depois nos sacerdotes e diáconos, mas também em nível hierárquico inferior conforme a disciplina nas autoridades devidamente constituídas na comunhão com os pastores, que exercem seus ministérios dentro dos limites das organizações à que se propõe.

Todas essas autoridades porém se fundamentam de uma maneira ou de outra na paternidade espiritual e assim autoridade na Igreja se liga à paternidade no Espírito de Deus e aquele que se quer deixar edificar deve aprender a obedecer. Alguns dizem: “Não, não, não; eu obedeço a Deus”. Não só a Deus. Tem que obedecer a Deus e aos pais, aos apóstolos, aos pastores. Há autoridade na casa de Deus.

A Igreja se edifica por autoridade. Hebreus 13, 17 diz: “Obedeçam aos seus líderes e sigam as suas ordens, pois eles cuidam sempre das necessidades espirituais de vocês porque sabem que vão prestar contas disso a Deus. Se vocês obedecerem, eles farão o trabalho com alegria; mas, se vocês não obedecerem, eles trabalharão com tristeza, e isso não ajudará vocês em nada.”

Numa segunda consideração, há autoridade de uns sobre os outros na mutualidade da comunhão do Corpo de Cristo (cf. Ef 5, 21) e tanto na autoridade hierárquica como nesta da comunhão o princípio é o mesmo: a autoridade deve vir de Deus (cf. Rm 13, 1). Isso significa que não somente a ordem de autoridade tem origem em Deus, como ela se fundamenta na justiça quando permanece nos princípios estabelecidos por Deus, e está exatamente aí a edificação que a autoridade produz.

Neste estudo vamos nos deter sobre a autoridade na mutualidade da comunhão. Na autoridade da edificação do uns aos outros e assim poderemos perceber o quão importante é que no Corpo de Cristo cada um assuma uma vida e postura de comunhão com Deus para ter autoridade na comunhão fraterna e desta forma edificar e ser edificado no Senhor.

O apóstolo Paulo nos diz que Deus nos deu aramas espirituais poderosas. Elas precisam ser usadas não só no combate ao mal neste mundo, mas também na edificação da Comunidade. O cuidado no “uns aos outros” deve ser exercido com armas espirituais que dão poder para edificar. Duas são as fontes das armas espirituais. A Oração e a Palavra.

A Oração
“Em primeiro lugar peço que sejam feitos orações, pedidos, súplicas e ações de graças a Deus em favor de todas as pessoas.(…) Quero que em todos os lugares os homens orem, homens dedicados a Deus; e que, ao orarem, eles levantem as mãos, sem ódio e sem brigas.” (I Tm 2, 1.8).

A Igreja se edifica pela oração. O que é a oração? É o testemunho mais eloqüente de nossa incapacidade e debilidade.
Por que oramos? Nós não podemos edificar a Igreja, não podemos sequer converter um menino de oito anos, nem podemos transformar o pecador. Não podemos dar crescimento; podemos plantar e regar, mas não podemos dar crescimento. Podemos pregar, mas não podemos dar espírito de sabedoria e revelação. É obra de Deus.

A edificação da Igreja é obra de Deus, não é obra humana. E nós temos que orar como testemunho de humildade e incapacidade. “Senhor eu não posso. O único que pode edificar, o único que pode mudar, transformar, visitar, abençoar, revelar, dar dons, és Tu!”. Nos prostramos diante Dele para dizer: “Senhor, se tu não fizeres, ninguém pode fazer”. Temos que orar com súplicas, petições e ações de graças.

Essa oração é amparada na comunhão … “ao orarem,… levantem as mãos, sem ódio e sem brigas.” – mas ampara a comunhão: “…façam oração uns pelos outros, para que vocês sejam curados. A oração de uma pessoa obediente a Deus tem muito poder.” (Tg 5, 16).

A Palavra

“Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver. E isso para que o servo de Deus esteja completamente preparado e pronto para fazer todo tipo de boas ações.” (II Tm 3, 16-17)

A Igreja se edifica pelo amor; pela oração; e finalmente chegamos onde queríamos chegar: a Palavra. Mas se há Palavra e não há amor e oração; estamos desperdiçando a Palavra.

Esse uso da Palavra é em sentido coletivo e de discipulado, mas principalmente no âmbito pessoal da oração, porque aquele que é edificado pela Palavra na sua vida de comunhão com Deus está apto a edificar aos outros pela mesma Palavra.

As Sagradas Escrituras são a base de edificação real no Corpo de Cristo uma vez que elas comunicam a mente de Deus e tão somente assim permite que rebaixemos o orgulho humano e dominemos todo pensamento debaixo da Santa Vontade.

Muitas vezes, boas intenções de edificar uns aos outros caem por terra porque não se alicerçam no uso da Palavra. Não são modos humanos de entender a vida que interessam na edificação cristã, mas a maneira como a vida foi concebida por Deus. Essa concepção divina de todos os aspectos do nosso viver está revelada nas Escrituras Sagradas e aqueles que a ela recorrem constantemente são por ela edificados e tornam-se instrumentos de edificação.

Portanto, a autoridade espiritual repousa na comunhão com Deus pela oração e pela Palavra. Se um servo de Deus caminha com essas duas pernas está em santo proceder e servirá de seta na vida dos outros mostrando-lhes também por onde devem andar. Quando acontecer de desviar-se por um pouco que seja, alguém do mesmo caminho santo lhe chamará a atenção e ele logo se submeterá retornando ao bom estado.

Edifiquemos portanto, uns aos outros com autoridade espiritual na oração e na Palavra, pois aí teremos …poder sobre nações e reinos, poder para arrancar e derrubar, para destruir e arrasar, para construir e plantar. (Jr 1, 10)

Sandro Fatobene Peres
Moderador – Comunidade Fanuel

Postar um comentário