segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Retiro Quaresmal – Segunda-feira da I Semana

Tomemos a leitura da Missa de hoje:

1O Senhor falou a Moisés, dizendo: 2“Fala a toda a Comunidade dos filhos de Israel, e dize-lhes: Sede santos, porque Eu, o Senhor vosso Deus, sou Santo.
11Não furteis, não digais mentiras, nem vos enganeis uns aos outros. 12Não jureis falso por Meu Nome, profanando o Nome do Senhor teu Deus. Eu sou o Senhor.
13Não explores o teu próximo nem pratiques extorsão contra ele. Não retenhas contigo a diária do assalariado até o dia seguinte. 14Não amaldiçoes o surdo, nem ponhas tropeço diante do cego, mas temerás o teu Deus. Eu sou o Senhor. 15Não cometas injustiças no exercício da justiça; não favoreças o pobre nem prestigieis o poderoso. Julga teu próximo conforme a justiça.
16Não sejas um maldizente entre o teu povo. Não conspires, caluniando-o, contra a vida do teu próximo. Eu sou o Senhor. 17Não tenhas no coração ódio contra teu irmão. Repreende o teu próximo, para não te tornares culpado de pecado por causa dele.
18Não procures vingança, nem guardes rancor aos teus compatriotas. Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Eu sou o Senhor” (Lv 19,1-2.11-18).

++++

Observe, caro Irmão, a insistência deste texto sobre o monoteísmo radical da fé de Israel: “Eu sou o Senhor!” Quatro vezes aparece esta solene exclamação neste breve trecho!
“Eu sou o Senhor!” exprime a grandeza do Senhor Deus, expressa Seu absoluto senhorio sobre Israel como um todo e sobre a vida de cada membro do povo da aliança. “Eu sou o Senhor!” exprime a unicidade absoluta do Deus vivo e santo: só Ele é Deus, para além Dele não há Deus, nada é Deus além Dele!

Assim, neste primeiro momento, convido-o a escutar com o coração a solene declaração do Eterno: “Eu sou o Senhor!”

Você vive, realmente, sua vida centrado no Senhor, Nele alicerçado? Ele é realmente o seu Senhor? Para saber se Ele é o seu Deus, observe se não outros senhores, que dominam sua existência, suas ações, seu modo de viver...

+++++

Agora, num segundo momento, escute ainda o Senhor: “Eu, o Senhor vosso Deus, sou Santo!”
Santo, kadosh, isto é, o que é único, além de tudo, o que não tem comparação, o que é totalmente diferente de tudo quanto se possa imaginar, o Imenso, o Infinito, o Incomensurável, o Incompreensível, o que é o Outro e, por isso mesmo, absolutamente livre, absolutamente reto, absolutamente fiel a Si próprio: “Eu sou o que sou!”

Pare ainda diante do Senhor! Deixe-se tocar pelo sentimento da Sua presença, da Sua soberania, da Sua santidade única, incomparável, incompreensível!
Basta repetir calmamente diante Dele: Tu és o Santo, Tu és o Senhor, Tu és o Único! Tu és o meu Deus!”
Repita calmamente, deixando que o Espírito do Senhor, que ora nos cristãos, encha da Sua doce e forte presença essas palavras...

Reze o Salmo 98/99: aí três vezes se exclama: “Santo é o Senhor!”
+++++

Demos um passo a mais: o Deus que é Único, absolutamente Único, o Deus que é Santo, totalmente Santo, ordena-nos: “Sede santos, porque Eu, o Senhor vosso Deus, sou Santo!”
Como é possível isto? Nunca poderemos ser santos na medida do Eterno; mas, podemos participar da santidade Dele: “Sede santos na Minha santidade! Sede santos, participando da Minha santidade, acolhendo na vossa vida a santidade que brota de Mim e que Eu derramo em vós!” – eis o sentido deste preceito, desta exortação, deste desafio!

Nós, cristãos, sabemos que a Santidade pessoal de Deus é o Seu Espírito, chamado “Santo” por antonomásia: Ele é o Santificador, o Santificante! É o Espírito que o “Pai Santo” derramou sobre o Filho Jesus na Sua ressurreição, e Jesus no-Lo dá nos sacramentos para nos santificar da santidade de Deus!
Somente no Espírito podemos ser santificados, pois é o Espírito Quem nos faz agir com o sentimentos de Cristo e as atitudes de Cristo. É no Espírito que podemos cumprir o preceito do Senhor Deus de Israel: “Sede santos, porque Eu, o Senhor vosso Deus, sou Santo!”

Suplique, portanto:
“Senhor Jesus, derrama novamente no meu coração, no coração da minha vida, o Teu Espírito santificador!
Onde está o Espírito que recebeste do Pai e sobre nós derramaste, aí está a Vida do Pai, a Santidade do Pai, a Energia do Pai, a Glória do Pai! Tudo isto recebeste do Pai na Tua santíssima humanidade quando da ressurreição; recebeste e derramaste e derramas sobre nós nos santos sacramentos que instituíste!
Unge-nos, ó Cristo-Ungido,
Unge-nos com a unção que é o Teu Santo Espírito santificador,
para que nós sejamos santificados e vivamos santamente,
ó Tu que vives e reinas para sempre
e de Eternidade em Eternidade és Deus com o Pai e o Santo Espírito. Amém.

+++++

Agora, um último passo.
Essa comovente e absoluta unicidade do Senhor e Sua santidade, nós a acolhemos e proclamamos quando, com santo temor e tremor, honramos a imagem sagrada do Deus Santo!
Que imagem é esta? O próximo, sobretudo o mais necessitado!
O próximo é Adão – bicho frágil, feito da terra, da adamah!
Mas, ele, tão frágil, traz em si o sopro do Eterno: ele é imagem do Deus Único e Santo!
Crês que o Senhor é Único, que Ele é o teu Senhor?
Não furtes, não mintas ao próximo, não enganes, não roubes o teu irmão!
Confessas de todo o coração que o Senhor é Santo?
Então, mostra isto na tua vida, com teus atos: não pratiques extorsão contra o teu próximo, não amaldiçoes o surdo, que não ouve e não pode te responder; não ponhas tropeços ao cego, que não enxerga e não pode se livrar; não sejas injusto com o teu próximo, não o calunies, não o difames, não alimente nunca e sob pretexto algum ódio e malquerer contra o teu próximo!

Que coisa impressionante: o Deus verdadeiro somente pode ser honrado verdadeiramente quando honramos a Sua imagem: o homem criado por Ele! Atenção: não somente os irmãos em Cristo, mas todo e cada ser humano, pelo simples fato de ser humano, imagem de Deus!

Pense nisto e faça um sério exame de consciência sobre o modo como você tem tratado as pessoas... Você as honra como imagem do Deus único e santo ou, ao invés, procura as utilizar como objetos, usá-las em seu proveito ou descartá-las e desprezá-las porque não lhe são úteis?


São coisas a serem pensadas com muita seriedade!

Dom Henrique Soares da Costa
BISPO DE PALMARES
Postar um comentário