sábado, 7 de maio de 2011

Os frutos do pontificado de João Paulo II

João Paulo II, beatificado em 1º de Maio, foi um dos mais importantes papas da Igreja. Poderia ser chamado de “Magno”, como Leão I (†461) e Gregório I (†604). Leão enfrentou os “bárbaros” e segurou a Civilização Ocidental que desabava na barbárie. Gregório soube conquistar e evangelizar os “bárbaros”, iniciando a reconstrução do Ocidente sob a luz de Cristo.
João Paulo II soube preparar a Igreja para a difícil caminhada do século XXI. Foi um verdadeiro profeta, qual novo Moisés, a conduzir o povo de Deus ao século XXI com a sabedoria de um grande mestre dos tempos atuais.

Foi um dos grandes personagens do século XX. Em 1994 foi escolhido como “Homem do Ano” pela revista “Time”. A revista disse na ocasião: “As pessoas que o veem – e são milhões sem conta – não o esquecem. Seu aspecto é capaz de produzir uma sensação eletrizante, que ninguém mais na terra pode igualar”.
Ao ser eleito papa, em 1978, o cardeal Stefan Wyszynski, primaz da Igreja na Polônia, lhe disse que uma de suas grandes tarefas seria preparar a Igreja para o novo milênio. E isto ele fez com grande sucesso.
Seu pontificado foi singular desde o início: um Papa polonês que chegou ao trono de Pedro após 455 anos de pontífices italianos. Seu caminho não foi fácil: uma vez eleito, enfrentou uma crise no catolicismo mergulhado em um Ocidente secularizado, onde o homem vive “como se Deus não existisse”. Mas com a força da fé e a eterna certeza da vitória de Cristo sobre o mal, ele soube enfrentar todos os desafios, propagando que a última palavra da História seria a vitória do bem.
Mesmo os que não compartilham a fé católica perceberam nesse homem alguém que viveu abnegadamente para um ideal nobre e que se interessou não só pela religião, mas por todas as questões relativas à dignidade do ser humano. Ele soube magnificamente integrar a fé com a história, Deus com o homem, sem oposição, traçando um nova era espiritual do mundo, nos cinco Continentes.
O Espírito Santo foi buscá-lo detrás da “Cortina de Ferro” comunista para fazer cair o “Muro da Vergonha”, de Berlim, e trazer a paz e a fé de volta a tantos países do Leste europeu: República Tcheca, Eslováquia, Rússia, Bulgária, Romênia, Polônia, Hungria e outros que voltaram a respirar a liberdade.
João Paulo foi um marco na história da Igreja e do mundo, não só pelos quase 27 anos de pontificado, mas pela sua santidade, cultura, amor ao ser humano, estadista, mestre da doutrina, arauto da paz, paladino da justiça entre os povos. E também “homem das dores”: foi baleado, protegido pela Virgem de Fátima, viveu a perseguição do comunismo e do nazismo, temperou sua fibra e sua fé no calor da perseguição à Igreja.
Soube falar ao mundo e com o mundo e revelou-lhe as suas chagas, apresentando o remédio de que precisava: Jesus Cristo. Em seu primeiro discurso como Papa pediu ao mundo: “Abri as portas a Jesus Cristo”, e fez disso o lema de seu pontificado.
João Paulo nos deixou uma herança religiosa que continuará sendo uma referência. Na base das suas convicções, está a idéia de que o cristianismo é “uma força libertadora da sociedade e do homem”. Na sua primeira encíclica, “Redemptor Hominis”, deu o tom do seu trabalho: Por Jesus Cristo salvar o homem e o mundo moderno.
Incansavelmente escreveu, viajou, rezou, acolheu peregrinos do mundo todo, socorreu os aflitos, confirmou os irmãos na fé e uniu a Igreja em torno dele. A veneração, admiração e a gratidão para com ele vieram de todas as partes do mundo. Fomos guiados por um Homem de Deus, que conquistou amor e respeito para além de qualquer barreira humana.
Ele foi o verdadeiro humanista experimentado de que o mundo precisava, o profundo conhecedor do pensamento filosófico, aquele que bebeu nas fontes da grande espiritualidade e que estava atento a todos os desenvolvimentos do pensamento contemporâneo.
Ele falava a um homem a quem conhece e, assim, o homem o reconhecia como o bom Pastor. Soube falar como pai às crianças e aos jovens; soube ensinar os casais e os homens públicos, os empresários e os pobres, os iletrados e os doutores, os incluídos e excluídos da sociedade, sem fomentar a luta de classes e a violência, chamando a todos ao amor do Cristo. E, sobretudo, soube mostrar aos sacerdotes que a missão sacerdotal é a máxima realização para um homem, realização altamente humana, porque divina.
O Senhor preparou um atleta para percorrer incansável as estradas do mundo – “antes que fosses formado no ventre de tua mãe, Eu já te conhecia; antes que saísses do seio materno, Eu te consagrei e te constituí profeta entre as nações” (Jr 1, 5).
Nesta hora em que o Céu o acolhe precisamos dizer: Obrigado Senhor, porque nos destes um grande Pai, Mestre e Pastor. Obrigado, Santidade, por nos ter feito compreender, com o seu “Totus tuus”, o poder da entrega de uma vida a Deus pelas mãos da Virgem Maria. Obrigado, “Doce Cristo na terra”, pelo sofrimento abraçado e oferecido a Deus por nós até o teu último dia.
Com todo o povo aclamamos: “Santo súbito!” Interceda pela Santa Igreja e por cada um de nós no céu sem cessar.

Prof. Felipe Aquino
Postar um comentário