sexta-feira, 13 de maio de 2011

O peixinho nadador


Por favor, por favor!- disse um peixinho do mar a um outro peixe: - Você que deve ter mais experiência, talvez possa ajudar-me... Então me diga: Onde posso encontrar a coisa imensa que chamam de Oceano? Em toda parte eu o venho buscando sem sucesso.

- Mas é precisamente no Oceano que você está nadando - disse o outro.

- Oh...isto? Mas é pura e simplesmente água! – disse o peixe mais jovem, - eu procuro o grande Oceano! – E lá se foi nadando, muito desapontado, a buscar noutra parte.

Essa simples e bela historinha de Antony de Mello nos lembra que não basta procurar a verdade e o sentido de nossa vida com o olhar exterior. Muitas coisas começam a ser entendidas se procuramos vê-las com os olhos "interiores", isto é, aceitando, ao mesmo tempo, as limitações e as riquezas do ser humano.

Se formos suficientemente humildes, deveríamos reconhecer as nossas limitações. Sempre tem algo além do que descobrimos e conhecemos. E também sempre aparece alguém com alguma novidade para complicar ainda mais os nossos raciocínios. Ficamos confusos. Sentimo-nos pequenos e inúteis. Somos tentados a parar com a nossa busca.

Por outro lado, a vida está cheia de surpresas. Quantas conquistas alcançamos, desde quando nascemos. Quanto aprendemos, e quanto já sabemos transmitir aos outros. Os grandes e os pequenos segredos da vida. Quem nunca, desde criança, ensinou algo a um colega, a um amigo? Todos nós temos uma experiência, ou um saber que entendemos valer a pena repassar. De pais para filhos. De companheiro para companheiro. Nesses casos nos sentimos importantes, na condição de quem sabe. É uma alegria.

Acredito que deveríamos nos ajudar também e trocar mais experiências quando falamos de Deus. No famoso discurso no Aerópago de Atenas, que encontramos no livro dos Atos 17,27-28,  o apóstolo Paulo, entre outras coisas, diz "...Assim fez, para que (os homens) buscassem a Deus e, talvez às apalpadelas, o encontrassem, a ele que na realidade não está longe de cada um de nós; pois nele vivemos, nos movemos e existimos, como disseram alguns dentre vossos poetas: 'Também nós somos da sua linhagem".

Se procurássemos mais com os nossos olhos interiores, todos teríamos muitas coisas para dizer sobre Deus. Ou talvez, mais do que falar, ficássemos contemplando, em silêncio, as suas maravilhas. Contudo, não sozinhos, mas de mãos dadas, de corações unidos, porque ninguém pode pensar em Deus, sentir a presença dele, perceber o seu amor, sem querer partilhar tudo isso com os seus irmãos, com entusiasmo e simpatia.

O mistério da Santíssima Trindade, que celebramos neste domingo não é um quebra cabeça para nos lembrar as nossas limitações. Ao contrário é a revelação do próprio Deus, para que ao adorá-lo como Pai, como Filho e como Espírito Santo, pudéssemos experimentar a sua grandeza e sua vontade de se fazer conhecer e amar, visto que Ele nos amou primeiro e da maneira mais perfeita possível.

Com efeito, quando chamamos a Deus de Pai, sentimos-nos filhos queridos, escolhidos, embalados por Alguém que sempre nos aguarda para nos abraçar quando voltamos, feridos, para casa. Quando admiramos o Filho, na vida, na morte e na ressurreição, não podemos não dizer com Tomé: "Meu Senhor e meu Deus", tanto ele nos amou e nos ensinou a amar. Por fim, quando pensamos no Divino Espírito Santo, entendemos, finalmente, o que é o olhar interior, o que deve ser ver com os olhos da fé, da esperança e do amor. É  pelo Espírito que foi derramado em nossos corações que proclamamos que "Jesus é o Senhor" e podemos orar com gemidos inexprimíveis ao Pai.  

Se eu caísse num rio de águas fundas, com certeza morreria afogado porque nunca aprendi a nadar bem. Mas no oceano do amor de Deus, ninguém corre este perigo. Ninguém se perde porque estamos no nosso verdadeiro ambiente natural. Pena que alguns entre nós continuem procurando, sem saber para onde ir. Se percebessem que já estão mergulhados em Deus, iriam gostar muito. Vamos ajudá-los, se deixarem.

Dom Pedro José Conti
CNBB

Postar um comentário