segunda-feira, 28 de março de 2011

O encontro que gera vida.

"Quem bebe desta água vai ter sede de novo. Mas aquele que beber a água que eu vou dar esse nunca mais terá sede. E a água que eu lhe darei, vai se tornar dentro dele uma fonte de água que jorra para a vida eterna." (Jo. 4, 13s)
Precisamos entender o que Deus quer falar com cada um de nós em particular. As nossas leituras, orações e reflexões têm por objetivo nos ajudar a fazer um encontro pessoal com o Senhor da vida. Cada um na especificidade do seu ser pessoal, com as características humanas e inspiradas pelo Espírito. O importante é estarmos abertos a este diálogo que Deus quer fazer conosco através do texto bíblico que vamos meditar. Vamos nos ater à leitura do episódio do encontro entre Jesus e samaritana. Perguntar o que texto diz em toda a sua riqueza teológica nos contextos e situação em que nos encontramos. Por isso, por partes vamos entrar o mundo literário do texto e buscar as belezas da mensagem evangélica.
O tema da reflexão que nos propusemos a fazer é: “Quem beber desta água nunca mais terá sede”. Este trecho bíblico é retirado do Evangelho de João, ele faz parte do primeiro “bloco” de capítulos que chamados de “Primeiro sinal”, ou seja, o Evangelho de João é conhecido como “livro dos sinais”. João escreveu seu evangelho para a comunidade dos seguidores de Jesus Cristo de origem grega, mas especificamente pode-se dizer que foi para a comunidade dos cristãos de Éfeso, no final do século primeiro da era cristã. Essas informações são importantes, pois vamos entendendo o porquê de algumas imagens e informações que encontramos no evangelho atribuído a São João.
 O texto do encontro entre Jesus e a samaritana está entre os quatro primeiros capítulos do evangelho de João. O tempo dos sinais começa com o testemunho de João Batista: sobre quem era o Cristo, o “batismo na água” e o “batismo do espírito”, que ele pregava como caminho de salvação e de renovação no reino que chegava. João mesmo dá testemunho de que Jesus era o ungido, o Cristo. Depois o evangelho continua relatando o chamado dos primeiros discípulos, ou seja, as testemunhas que o acompanhariam no ministério de proclamação da salvação e da libertação do povo oprimido pelas ideologias e pela pressão das autoridades que dominavam em última instância a própria consciência das pessoas.
O “primeiro sinal” é relatado no capítulo dois do evangelho e narra o episódio das bodas de Caná na Galiléia, ao norte da terra santa. Lá ele realiza a grande proeza da mudança da água em vinho e, retorna para Cafarnaum, às margens do lago de Genesaré, cidade onde segundo a tradição ele morava. O evangelho diz que Ele e os discípulos retornaram a Jerusalém, pois estava se aproximando a festa da páscoa, e todo judeu piedoso e fiel às tradições do seu povo ia a Jerusalém apresentar o seu sacrifício em agradecimento a Deus pela libertação, realizada no êxodo. Por ocasião de sua ida para a festa da páscoa o evangelista deixa claro de que muitos ouviam o que Jesus dizia e acreditavam nos seus sinais.

 Vida nova no seguimento de Cristo.
No início do terceiro capítulo, o evangelista relata o encontro secreto de Jesus e Nicodemos, grande homem, chefe dos doutores da Lei, autoridade entre os judeus. Certamente ele tinha observado que as atitudes de Jesus eram diferentes e cheias de autoridade pelo testemunho que ele dava. Muita gente aderia à proposta do Mestre, então isso deve ter sido causa do questionamento de Nicodemos sobre a conversão e a mudança radical de vida das pessoas que escutavam e se encontravam com Jesus.
A mudança de vida é um novo nascimento. Era isso que acontecia quando João Batista pregava e testemunhava a chegada do enviado de Deus. Ele pregava, segundo os evangelistas, um batismo de conversão. Converter-se é mudar a direção. Mudar de vida. Nascer de novo: ser uma criatura nova, como vai nos dizer São Paulo sobre o cristão que acolhe a mensagem de Jesus. Para que o sinal da mudança de vida fosse verídico, segundo o diálogo de Nicodemos e Jesus, era preciso “nascer da água e do Espírito” (Jo 3,5), pois a garantia era a participação na vida de Deus, o reino pregado pelo messias.
Já quase no final do capítulo terceiro o autor do evangelho retorna mais uma vez a apresentar o testemunho de João Batista, que dessa vez é mais radical: a prisão e por fim, o martírio. João aponta o Cristo. Assim João Batista realiza a sua missão: “Preparai o caminho do Senhor!” Os discípulos e Jesus também batizavam na margem do rio Jordão. Isso vai ser causa de grandes comentários entre as autoridades dos judeus, pois as pessoas que procuravam João Batista iam ao encontro de Cristo e o grupo dos que aceitavam sua mensagem e testemunho aumentava rápida e significativamente. Desse episódio pra frente do texto inicia o capítulo quarto que vamos meditá-lo com mais atenção.
Até aqui podemos fazer algumas observações sobre os quatro primeiros capítulos do evangelho de João: O Evangelho começa falando sobre a pessoa de João Batista, sua missão e sua atividade de anúncio e o batismo de conversão. Duas idéias são fundamentais e evidentes ao longo destes textos: A presença e ação de Deus na vida do ser humano acontecem no mais profundo do seu ser, ou seja, no coração, isso se a pessoa aceita “nascer de novo”, na água e no espírito, que é uma mudança radical de vida; O testemunho é a acolhida alegre da mensagem que se transforma em vida, ou seja, ação capaz de produzir a salvação e a libertação da pessoa.
Ao longo da nossa reflexão bíblica vamos procurar explicitar alguns conceitos e elementos importantes que nos tornem capazes de compreender a beleza e riqueza deste texto. É evidente que a ação de Jesus repercutiria muito entre as autoridades, pois o grupo dos seguidores e ouvintes de Jesus aumentava muito, gradativamente. O número dos discípulos dele era até maior que os de João Batista. Segundo os outros evangelistas a quantidade de pessoas que procuravam o batismo de João era muito grande. Imaginemos o número das pessoas que procuravam Jesus! O evangelho diz que as pessoas iam ao encontro de Jesus por causa do testemunho de João Batista, depois de o ouvirem se tornavam seus seguidores. O testemunho agora já não era outro que falava dele, mas, as suas próprias ações diziam por si mesmas.

Delmiro Vieira do Nascimento Júnior, SDB
www.salesianos.com.br
Postar um comentário