terça-feira, 23 de novembro de 2010

“A palavra de Deus é dom, dom de si mesmo, total e pleno”

"O mundo contemporâneo é marcado, de modo especial, pela palavra", inicia assim seu artigo o arcebispo de Belo Horizonte, Minas Gerais, Dom Walmor Oliveira de Azevedo. Refletindo sobre o "Dom da Palavra", o prelado mineiro afirma que ela é o liame imprescindível das relações humanas, definindo estratégias governamentais e privadas, e configurando o amor que faz "desabrochar nos corações entendimentos e sentidos que sustentam a vida a cada dia".

Ao constatar a "grandiosa" relevância da palavra para a vida humana, Dom Walmor expressa em seu texto a preocupação com seu cuidado, afinal a palavra compõe discursos, que suscitam diversas interpretações, podendo gerar amor e ódio, paz e concórdia. "Nessa avalanche tsunâmica, em se pensando que em cada cabeça há uma sentença, em cada coração um mundo e em toda inteligência infinitas possibilidades de leituras e entendimentos, fala-se muito e, muitas vezes, de forma irrefletida", argumenta.

Conforme o arcebispo de Belo Horizonte, a forma de se evitar mal entendidos, a maneira de se utilizar corretamente a palavra depende essencialmente do amor. "O amor é a fonte da verdadeira palavra". E qual é a fonte do amor? Deus. "Nenhum outro, por si e em si, é fonte do amor. Deus é amor que fala. A palavra de Deus é dom, dom de si mesmo, total e pleno. É Jesus Cristo, o Filho unigênito que se encarnou", diz. Neste sentido, segundo o prelado mineiro, as páginas do Evangelho perenizam esta verdade e apontam o caminho duradouro para o amor.

Por tudo isso, assevera Dom Walmor, qualquer pessoa, em qualquer momento de sua trajetória, ao fazer uso da palavra, "deve se voltar para Deus, que é a fonte fidedigna da palavra". "A Palavra de Deus é esta fonte, por ser amor é ciência insuperável". Para se ver a importância desse tema, segundo o arcebispo, a reflexão sobre a palavra integrou o "amplo horizonte motivacional" da Igreja Católica, no Concílio Vaticano II, e também no XI Sínodo Ordinário, de Roma, em 2008, que teve a presidência do Papa Bento XVI, e que gerou a exortação "A Palavra de Deus na vida e na missão da Igreja".

O documento elaborado pelo pontífice na ocasião "indica caminhos de conhecimentos, atenções e horizontes bem delineados para qualificar a palavra de todo aquele que crê", diz Dom Walmor. Caminhos que, conforme o prelado, impulsionaram mais ainda a Igreja Católica no Brasil em sua tarefa missionária e que começaram a ser trilhados desde a 5ª Conferência de Aparecida, "ao retomar a força espiritual do discipulado no seguimento de Jesus Cristo".

Concluindo a sua explanação, o arcebispo de Belo Horizonte define a Palavra de Deus como compromisso para dar força às responsabilidades e às decisões. "Força que só vem de quem escuta o amor, Deus". O prelado não desdenha àquele que vai procurar a Palavra divina primeiramente com fins poéticos, literários, hermenêuticos e culturais. Contudo, segundo ele, o resultado dessa busca sempre será o encontro com Jesus Cristo, o "mais precioso que se pode ter na vida".

Dom Walmor Oliveira de Azevedo
Postar um comentário