sexta-feira, 5 de julho de 2013

Lumen Fidei: Lançada a primeira encíclica do Papa Francisco

Para alegria do povo católico (pelo menos daqueles que se dedicam a conhecer a doutrina da sua religião), a Sala de Imprensa do Vaticano anunciou a primeira Encíclica do Papa Francisco, intitulada Lumen Fidei (que significa Luz da Fé).
O interessante desta encíclica, é que apesar do Papa Francisco ter assinado a carta, ela contem em boa parte do seu conteúdo, textos do então Papa Emérito Bento XVI, que começou a escrever a carta, mas não concluiu. A finalização da mesma coube ao Papa Francisco, que segundo àqueles que já leram a mesma, afirmaram que não se pode diferenciar o início do fim. Ou seja: A unidade da Igreja e a ação do Espírito Santo prevalece sobre quem escreve.
A nova Encíclica foi apresentada pelo Cardeal Marc Ouellet, Prefeito da Congregação para os Bispos, por Dom Gerhard Ludwig Müller, Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, e por Dom Rino Fisichella, Presidente do Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização.
A Lumen Fidei tem ainda com comentários de Dom Rino Fisichella, organizador dos eventos do Ano da Fé, e de Giuliano Vigini, escritor e docente em sociologia na Universidade Católica de Milão.
O documento está disponível em seis línguas, entre as quais o português, com 94 páginas e dividida em quatro capítulos, além da introdução e da conclusão.
A Carta Encíclica é dirigida aos Bispos, Presbíteros, Diáconos, Pessoas consagradas e a todos os fiéis Leigos. O objetivo dela fazer com que os católicos retomem o caráter da luz – que assim como a fé – é capaz de iluminar toda a existência humana. Em resumo, podemos dizer que “aquele que crê jamais está sozinho, porque a fé é um bem comum que ajuda a edificar as nossas sociedades, dando-lhes esperança.
Em uma época, como a moderna, escreve o Papa, na qual “crer se opõe à pesquisa” e a fé é vista como um pulo no vazio, que impede a liberdade do homem, é importante “ter confiança”, com humildade e coragem, no amor misericordioso de Deus, que endireita as sinuosidades da nossa história.
Jesus é a testemunha crível da fé. Através dele, Deus atua realmente na história. Como na vida de cada dia, nós confiamos no arquiteto, no farmacêutico, no advogado, que conhecem melhor as coisas, assim, mediante a fé, confiamos em Jesus, perito nas coisas divinas.
A fé, sem a verdade, não salva, diz o Pontífice, mas permanece como uma linda fábula, sobretudo hoje, em que se passa por uma crise da verdade, porque acreditamos somente na tecnologia ou nas verdades de uma pessoa, porque tememos o fanatismo e preferimos o relativismo.
“Não deixemos roubar a nossa esperança; não permitamos que ela seja inutilizada por soluções e propostas imediatas, que bloqueiam o nosso caminho rumo a Deus”. (Lumen Fidei)

Fonte: Dominus Vobiscum
Postar um comentário