quinta-feira, 30 de junho de 2011

Eis que vos anuncio uma grande alegria!

Quem lê atentamente o Evangelho segundo São Lucas certamente já notou que uma de suas características mais marcantes é a alegria. Sugerimos que você ore com a Palavra de Deus segundo o método da Lectio divina, os trechos referentes ao nascimento de João Batista e Jesus Cristo. Leia hoje, pelo menos duas vezes Lc 1,5-2,20.

Dentro de um trecho grande como o sugerido, devemos escolher uns poucos versículos que mais tenham nos tocado. Veja, por exemplo, os versículos que falam da alegria (cf. Lc 1,14.28.44.47;2,10).
O evangelista fala da grande alegria messiânica já predita pelos profetas no A.T. (cf. Sf 3,14-15; Jl 2,21-27; Is 12,6; Zc 2,14; 9,9). A alegria da chegada do Emanuel, o Deus-Conosco. A alegria pela presença de Deus no meio dos homens. Foi essa a alegria anunciada pelos anjos e experimentada pelos Anawin, os pobres de Javé, dos quais Maria é um exemplo ímpar.
Aos olhos humanos, os fatos relacionados com esta alegria poderiam parecer o contrário, motivo de tristeza ou, no mínimo, de preocupação. O anúncio da concepção de Jesus pelo poder do Espírito Santo levou dúvida ao coração de José, que só foi aplacada depois, com a intervenção divina. A gravidez de alto risco da idosa Isabel deve ter preocupado sua família. O nascimento do Menino Jesus numa cidade superlotada como Belém, em uma época de recenseamento ordenado pelos romanos deve ter preocupado José. E assim por diante. Mas a contradição é apenas aparente. A alegria da presença de Deus torna tudo relativo. Honra, saúde, bens materiais, conforto, segurança... Tudo perde o valor em si diante do Bem verdadeiro, o único de valor absoluto. É isto que está dito ou implícito nos versículos lidos.
Diante destes versículos, medite como está a alegria (ou a falta dela), na sua vida. Não tenha medo de confrontar suas dificuldades, por quaisquer motivos que sejam, com as situações relatadas no trecho da Palavra que você leu. No tempo do Natal e de fim de ano, muitos sentem uma tristeza indefinida, não vendo razão para a alegria. É preciso deixar que a alegria do nascimento de Jesus relativize todos os outros fatos ou sentimentos. Então, como diz São Paulo aos romanos, “nada poderá nos separar do amor de Deus em Cristo Jesus, nem tribulação, angústia, perseguição, fome, nudez, perigo ou espada!” (Rm 8,35).

Oração
Sua oração pode iniciar assim: “Obrigado, Senhor Deus Altíssimo, que vos humilhastes a ponto de tornar-vos um de nós, em tudo semelhante a nós, menos no pecado. Obrigado, Senhor Jesus, porque escondestes estas coisas aos sábios e doutores mas as revelastes aos pequeninos. Ensina-nos a ser pobres e humildes como vós e dai-nos experimentar a verdadeira alegria...” Em seguida, coloque tudo o que Deus lhe mostrou na sua meditação.
Para melhor completar o último passo da Lectio, sugiro contemplar um presépio ou, pelo menos, o retrato de um deles, com o Menino Jesus, Maria e José. Deixe-se envolver por esse grande mistério da encarnação, mistério de amor e de alegria.
No final da Lectio, tome o seu caderno para anotar as graças e os bons propósitos deste dia.
Ó Deus de bondade, que nos destes a Sagrada Família como exemplo, concedei-nos imitar em nossos lares as suas virtudes, para que unidos pelos laços do amor, possamos chegar um dia às alegrias da vossa casa. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.
Shalom!

José Ricardo Bezerra
Comunidade Shalom
Postar um comentário