segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Sob a proteção do Altissímo

Eu quero falar hoje para vocês sobre duas armas poderosas que o demônio tem nas suas mãos para nos usar: o medo e o desânimo. Vamos falar sobre a batalha espiritual que travamos todos os dias, o combate que temos dia e noite sem cessar. Não podemos dar chances para que o inimigo de Deus zombe de nós cristãos.
Abra a sua Bíblia em Efésios 6, 10-20:
“No demais, irmãos meus, fortalecei-vos no Senhor e na força do Seu poder. Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para que possais estar firmes contra as astutas ciladas do diabo. Porque não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais.
Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau e, havendo feito tudo, ficar firmes. Estai, pois, firmes, tendo cingidos os vossos lombos com a verdade, e vestida a couraça da justiça; e calçados os pés na preparação do evangelho da paz; tomando sobretudo o escudo da fé, com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do maligno.
Tomai também o capacete da salvação, e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus; orando em todo o tempo com toda a oração e súplica no Espírito, e vigiando nisto com toda a perseverança e súplica por todos os santos, e por mim; para que me seja dada, no abrir da minha boca, a palavra com confiança, para fazer notório o mistério do evangelho, pelo qual sou embaixador em cadeias; para que possa falar dele livremente, como me convém falar”.
Há uma luta tremenda entre a luz e as trevas, meus irmãos. Se travarmos a batalha da fé, venceremos satanás; pois é só por meio dela que podemos receber milagres. Estamos vivendo uma grande crise de crença no mundo atual. A fé exige uma recusa de ídolos na nossa vida.
Precisamos “combater o bom combate da fé”, como nos ensina São Paulo. Não podemos ficar de braços cruzados, pois somos desafiados a lutar por Jesus Cristo e Ele está conosco todos os momentos. Se Ele está conosco, quem estará contra? Não pode existir desânimo na hora de rezar, nem medo do que vai acontecer, pois essas duas coisas são brechas para o demônio.
Pare de ficar preocupado com as coisas que estão à sua volta, Deus está com você todos os dias até o fim dos tempos. Você não está sozinho! Precisamos orar com fé: com vontade ou sem vontade. Não se acomode, não dê trégua para o inimigo voltar com toda a força em cima de você.
Esse combate é para homens e mulheres de fogo, testados no sofrimento. É o sofrimento que nos capacita; por isso ele não é ruim, é uma graça! Nós perdemos muito tempo preocupados com problemas. Deus não existe para resolver os seus problemas, pois eles cabem a você. O Senhor vai resolver aquilo que não podemos fazer. Aquilo que não podemos realizar, o Senhor realizará; mas o que você pode, resolva você!
Ir à Santa Missa é uma questão de sobrevivência, ler a Palavra é como se alimentar, respirar. Precisamos praticar essas duas coisas o tempo todo para que sejamos cristãos combatentes, fortes. Gente fraca não aguenta a batalha!
É preciso que estejamos vigilantes. Mas como estruturar meu exército? É preciso estudar alternativas, planejar. A gente nem reza, como vai planejar nossa vida religiosa? Você foi chamado para salvar a sua casa. Se você não tem nenhuma estratégia em mãos, é hora de prepará-la. É importante saber o nosso “potencial de fogo” e do inimigo também. Não desista de Deus, é preciso ter disposição de guerreiro! Quando a gente começa a rezar, uma luta espiritual começa também. Não dê tréguas ao inimigo; fique alerta! Combater o mal é cuidar da saúde física e emocional. Antes de lutar, você precisa valorizar a si mesmo.
Que tipo de guerra nós estamos travando? A guerra da evangelização, meus irmãos. A primeira arma que precisamos usar nessa batalha é o “cinturão da verdade”. Estamos vivendo num mundo de mentiras e precisamos lutar pela verdade, que só pode ser encontrada no Pai. Essa experiência só é alcançada com muita adoração e louvor. Renunciemos a mentira!
>Outra forma para se armar para o combate é a “couraça da justiça”. Ela serve para proteger os órgãos vitais, é como um colete à prova de balas. São Paulo nos ensina que – se praticarmos a justiça – estaremos salvos de todo o mal.
Há ainda as “sandálias da paz”, que é o combate da oração, sem jamais desfalecer; e o “escudo da fé”, que é a nossa arma defensiva, que nos protege das lanças do inimigo. Podemos contar também com o “capacete da salvação”, que vem nos salvar da imoralidade, das coisas que o mundo prega que não são da Igreja. E, por fim, contamos com a “espada do Espírito”, pois é com a Palavra de Deus que nós vamos nos defender e lutar contra o inimigo. Amém!Deixe seu pedido de oração eu quero rezar por você.
Ir. Maria Eunice
Com. Canção Nova
Postar um comentário